Agenda CIEN Brasil - Junho 2018 - Minas Gerais




Se o sintoma é o que o sujeito encontra para estar no laço social, que recursos têm as crianças e adolescentes, diante do que lhes é insuportável, para não ficarem à deriva em relação às normas, à justiça e às medicações?  Soraya Alves Pereira e Cristiane Cunha discutirão as estratégias dos laboratórios “Juntos e não misturados” e “Janela da escuta”, com Renata Mendonça animando a conversação. Esperamos vocês! 

Um abraço,
Aline A. Mendes
Coordenação CIEN Minas

VI Manhã de Trabalhos do CIEN - Brasil



O QUE FALAR QUER DIZER?
Singularidade e Diferença Hoje.

Data: 23 de novembro de 2018, de 08:00 às 13:00
Local: Hotel Windsor Barra, av. Lúcio Costa, 2630, Barra - Rio de Janeiro.

Argumento
Em 2008 a Manhã de trabalhos do CIEN-Brasil teve como tema “A oferta da palavra hoje: quais as respostas do CIEN?”, indicando uma tendência generalizada no uso da fala como instrumento de transformação e ação. Em uma perspectiva utilitarista aliada à ciência, essa oferta da palavra foi tomada, no mundo, como instrumento de eficácia, buscando uma previsibilidade do sujeito e a produção de respostas pré-concebidas. Como consequência constatava-se que o mal-estar, o enigmático, inerente ao humano, não encontrava um lugar.
Frente a isso o CIEN se posicionava com “A oferta de dispositivos onde a palavra pudesse se tornar, pela forma como é escutada, um instrumento de criação de respostas e de abertura de caminhos inéditos – ou ainda, como indicou Judith Miller, o inconsciente pudesse no mundo contemporâneo, tornar-se audível”[1]. Isto é, pudesse ter um lugar no discurso.
As conversações inter-disciplinares dos Laboratórios do CIEN, em seu trabalho ao longo destes anos, nos mostram não só os efeitos do encontro de diferentes pontos de vista, do que cada um pode se servir do outro, mas também do que colocamos em jogo quando falamos: os limites, as contradições, os pontos de ruptura e paradoxalmente... o que faz laço. Não se inserir na lógica da resposta padrão ou da normatização faz aparecer a diferença em seu sentido amplo e a singularidade como modo de solução ao impasse que ali se apresenta.
Dez anos depois, propomos nessa VI Manha de Trabalhos do CIEN Brasil retomar essas questões: O que falar quer dizer? Buscando recolher nas experiências, entre as contradições dos efeitos de falar e do uso que se faz desse dizer, como os jovens e crianças se apresentam na sua singularidade? Qual a forma que cada um encontra para expressar suas diferenças em nossos dias e poder responsabilizar-se por elas? O que ouvimos dos seus dizeres, das suas invenções?
É possível apostar ainda hoje em uma boa forma de dizer, mesmo quando não há um discurso articulado para representar um sujeito? Ou seja, quando um lastro simbólico, social e afetivo vêm a faltar, deixando o sujeito sem um enganche que lhe permita representar-se ainda que pela oposição? Quais as consequências quando se retira essa aposta na palavra?
A partir da prática dos Laboratórios, abordaremos os desafios e os recursos construídos em cada experiência do CIEN. Os testemunhos nos permitirão discutir sobre os seguintes eixos temáticos:
1- Em que apostamos quando propomos uma conversação do CIEN nos dias de hoje? Como reintroduzir o lugar da palavra e sua função? A partir do que se fala, quais os pontos de opacidade que se apresentam para cada um e os efeitos na fala que circula?
2- Singularidade e Diferença – A presença, em nossa época, de reações extremas diante da singularidade de cada um e seus diferentes modos de satisfação, nos faz perguntar sobre o ato e a palavra. Como cada criança e cada jovem pode constituir e sustentar seu lugar frente à intolerância?
Comissão de coordenação e orientação do CIEN-Brasil: Paola Salinas (Coord. Geral), Mônica Campos Silva, Mônica Hage e Vânia Gomes.
Envio dos trabalhos
Aguardamos a experiência dos laboratórios do CIEN até o dia 15 de setembro, para o e-mail brasil.cien@gmail.com
Cada comunicação deverá conter até 6000 caracteres, incluindo espaços e notas, na fonte Times New Roman, tamanho 12.

[1] Pitella, C.; Telles, H.; Rego Barros, M.R.C; Pavone, T. (Comissão de Coordenação e do CIEN-Brasil 2007/2011). Apresentação da Manhã de trabalhos do CIEN-Brasil Cien Digital, n 5. Novembro de 2008, pg. 4.

Agenda CIEN Brasil - Junho 2018 - Bahia

No dia 14/06/18, o Laboratório "A Criança na Hipermodernidade" levará para a roda de conversa um relato de experiência inter-disciplinar vivenciada em uma Creche/Escola da Rede Pública. O traço de união, o hífen, que se coloca na inter-disciplinaridade do Cien é o ponto precioso da nossa Conversação, pois marca um espaço , um vazio, indicando o lugar de uma "ausência vibrante". Se o psicanalista é aquele "capaz de acolher o novo" , a sua presença na conversa se instala enquanto aquela que fará sustentar esse traço de união, nas palavras de Judith Miller, "princípio socrático do saber não saber, com relação não somente aos pacientes que recebem, mas também às dificuldades que os outros especialistas podem encontrar quando sua especialidade diz respeito à infância e à adolescência".

Quando pára além dos saberes estão também os dissabores, a nossa aposta é que desse hífen possa surgir algo novo, vivo e pulsante! Esperamos vocês!
 


Twitter Facebook Favorites More